news

Mão em Mão: Teatro de Giz leva leitura encenada às ilhas do Triângulo

A itinerância da leitura encenada de "O Piquenique na Guerra”, pela associação cultural Teatro de Giz, por várias freguesias das ilhas do Faial, Pico e São Jorge, prossegue este fim de semana. É já no próximo domingo, 3 de outubro, às 17h00, que o adro da igreja da freguesia da Urzelina, em São Jorge, vai ser o palco deste espectáculo de teatro.

O périplo pelas freguesias das ilhas do Triângulo da leitura encenada de "O Piquenique na Guerra”, da autoria de Fernando Arrabal, foi um dos nove projetos selecionados do programa Mão em Mão, do Azores 2027 em parceria com a CRESAÇOR - Cooperativa Regional de Economia Solidária.

Este espetáculo pretende cumprir o desígnio de levar o teatro a diferentes freguesias do Faial, Pico e São Jorge, com o intuito de abraçar populações que porventura tenham menor oferta cultural e, ao mesmo tempo, para criar laços e conectividade entre grupos e agentes culturais das ilhas do Triângulo. Este projeto, segundo a presidente do Teatro de Giz, Sara Vanessa Santos, "pretende falar da guerra, tema recorrente no nosso tempo, como noutros, de forma simples, emotiva, humorada e com uma ligação orgânica ao público".

Depois de duas leituras encenadas nas freguesias do Capelo e de Pedro Miguel (ilha do Faial) nos dias 18 e 19 de setembro, segue-se agora a freguesia da Urzelina, na ilha de São Jorge, no dia 3 de outubro, e depois a freguesia de São Mateus, na ilha do Pico, no dia 10 de outubro. 

None

"Piquenique na Guerra"
Considerado um dos grandes dramaturgos do século XX, o também escritor e cineasta espanhol, Fernando Arrabal é responsável por uma obra de forte cunho político, motivo pelo qual foi preso em 1967 pela ditadura de Francisco Franco. "Piquenique na Guerra" é a primeira peça escrita pelo autor. Trata-se de uma escrita precisa, crítica, que desmonta o absurdo da guerra com uma surpreendente e uma amarga ironia. Passadas tantas décadas, a obra mantém-se atual, a banalização da vida e da morte continua a acontecer nas ruas, no mundo e ao nosso lado, comprovando a genialidade do autor. 

Teatro de Giz
O Teatro de Giz é uma associação cultural sem fins lucrativos, com estatuto de Utilidade Pública atribuído pelo Governo Regional dos Açores em 2015. Ao longo dos seus já vinte e três anos de existência, vem desenvolvendo uma atividade consistente de formação nas artes do teatro e de produção de espetáculos, cujo objetivo é contribuir para o enriquecimento cultural da comunidade, estimulando as suas capacidades críticas e criativas. Enquanto agente cultural, o grupo move-se pela consciência do seu papel de promotor da transformação e do conhecimento, convicto da importância das artes - e do teatro em particular - para a construção de uma sociedade mais livre e para a preservação dos valores da paz e da ética, da coesão e da inclusão social na nossa comunidade. O Teatro de Giz assenta o seu crescimento sustentado em quatro pilares fundamentais: Teatro, Formação, Ligação e Festa. O grupo de atores amadores que se propõe a concretizar este projeto é composto por homens e mulheres de um leque diversificado de faixas etárias, nacionalidades, profissões e experiência de palco.

___

Imagens da leitura encenada "Piquenique na Guerra" na eira do porto de Pedro Miguel (Faial):

None
None

"Porque é imprescindível desconstruir o papel que cada um de nós pensa caber-lhe no cenário de guerra em que o nosso mundo se converteu. E porque se algum caminho há que queiramos apontar com este trabalho, esse é o da liberdade e da paz."

None
None

Créditos: Robert Priester