Uma colaboração Azores 2027, Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas e Part’ilha - Associação de Cultura e Desenvolvimento Local, em parceria com várias instituições e agentes das nove ilhas dos Açores.
Convocatória encerrada. Conheça os resultados aqui.

None

9 x 9 - Artistas são Ilhas, Ilhas são Artistas é um programa piloto de residências artísticas de todas as disciplinas criativas, que decorre nas nove ilhas dos Açores. O programa destina-se a artistas portugueses e estrangeiros residentes em Portugal continental e regiões autónomas e também a artistas da Letónia - país que, com Portugal, acolhe em 2027 o evento Capital Europeia da Cultura.

Este programa piloto de residências artísticas dos Açores nasce, através de parcerias com agentes, instituições culturais e municípios açorianos, com o objetivo de acolher e integrar artistas. Porque nenhum artista é uma ilha, os artistas podem colaborar e encontrar formas de levar conhecimento, experimentação e desafios a todos os setores da sociedade.

Este programa pretende chegar às ilhas mais periféricas do arquipélago, atenuando barreiras de acesso a experiências artístico-culturais. Este projeto pretende, ainda, assegurar que as experiências artísticas acontecem em toda a região. É uma forma de iluminar e unir singularidades e as várias narrativas de um arquipélago fragmentado, e quer constituir-se como uma plataforma privilegiada de contar novas histórias sobre os Açores.

9x9 quer ligar diferentes parceiros nas ilhas em torno de objetivos comuns, nomeadamente: deslocar a experiência da arte para as ruas, para negócios e para a natureza, ocupar lugares abandonados, abordar questões europeias importantes e contemporâneas como a participação ativa das comunidades nos processos criativos, o isolamento (solidão), a desertificação das ilhas, a migração por falta de oportunidades de trabalho, o envelhecimento da população, ativar o património material e imaterial e a criação de pontes entre a tradição e a contemporaneidade.

As residências artísticas focam-se na investigação e nos processos artísticos, e incluem momentos de desenvolvimento de públicos e de sensibilização das comunidades para as artes. As residências estão, por isso, ancoradas no processo mais do que no produto final, devendo incentivar a participação direta, seja através de conversas, oficinas, visitas escolares ou de outros formatos propostos pelos artistas, e devem terminar sempre com apresentações públicas. 

None

Esta convocatória, definida em conjunto com agentes de cada ilha, serve de convite a artistas interessados ​​em colaborar com as comunidades locais, atuando como facilitadores de experiências e de objetos artísticos. A questão O que cada ilha ganha com a presença de um artista? serve de mote para identificar de que forma o desenvolvimento de projetos artísticos e culturais pode transformar um lugar.

REGULAMENTO

Azores 2027 atribui 10 dias de residência artística a nove (9) projetos de nove (9) artistas individuais no âmbito do 9 x 9 - Programa Piloto de Residências Artísticas dos Açores, a realizar entre 30 de setembro e 4 de dezembro de 2021.

9 x 9 tem como principais objetivos estimular a investigação, criação e apresentação de novos objetos e experiências artísticas, através da cedência de espaços e apoio logístico para ensaios e construção e elaboração de projetos, nas nove ilhas dos Açores, para a investigação e criação artística nas artes literárias, performativas e visuais, bem como nas suas intersecções - literatura, teatro, dança, música, performance, novo circo, artes de rua, fotografia, escultura, instalação, pintura, arquitectura, vídeo e cinema.

Serão selecionados nove (9) projetos de nove (9) artistas individuais que terão direito a 10 dias de residência artística. Os proponentes deverão incluir, nas suas propostas, atividades de aproximação às comunidades de acolhimento e uma apresentação final. Os projetos selecionados têm assegurado pelo Azores 2027 um cachê artístico e necessidades logísticas.     

9 x 9 é uma iniciativa do Azores 2027, com o apoio da Câmara Municipal de Ponta Delgada, Governo dos Açores, em parceria com o Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas, Part’ilha - Associação de Cultura e Desenvolvimento Local, AC, e com o apoio de vários agentes, instituições e municípios das nove ilhas dos Açores.

1. QUEM SE PODE CANDIDATAR

  • Artistas individuais, maiores de 18 anos de idade, portugueses e estrangeiros residentes em Portugal - território continental e regiões autónomas. Destina-se, igualmente, a artistas da Letónia, país que, com Portugal, acolhe em 2027 o evento Capital Europeia da Cultura. Serão atribuídas nove (9) residências artísticas: quatro (4) residências artísticas para artistas açorianos e/ou residentes nos Açores, quatro (4) residências artísticas para artistas portugueses e estrangeiros residentes no território continental e Madeira e uma (1) residência artística para um artista da Letónia.
  • Projetos de artes literárias, visuais, performativas e cruzamentos disciplinares, nomeadamente: literatura, teatro, dança, música, performance, novo circo, artes de rua, fotografia, escultura, instalação, pintura, arquitectura, vídeo e cinema.
  • Apenas será admitida uma candidatura por proponente.

2. CALENDÁRIO

11 agosto  > Abertura da convocatória
23 agosto > Data limite de pedidos de esclarecimento 
31 agosto, 20h (hora dos Açores)  > Encerramento da convocatória
15 setembro > Publicação dos resultados
30 setembro a 4 dezembro > Realização das residências artísticas

3. ILHAS - DATAS DAS RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS - ESPAÇOS DE TRABALHO

Os artistas, aquando da candidatura, devem indicar apenas uma ilha e um dos espaços de trabalho disponíveis em que gostariam de realizar a residência artística, em consonância com a disponibilidade do calendário apresentado.

1- Flores | 30 de setembro a 9 de outubro

Espaço: Museu Municipal da Lajes das Flores
Descrição: Inaugurado em 2013, com uma arquitetura contemporânea, o Museu Municipal das Lajes das Flores oferece distintos serviços, como centro de informática, biblioteca, espaço para exposições e um auditório preparado para conferências e projeção de filmes, à disposição dos artistas em residência. Existem pequenas unidades museológicas em todas as freguesias e inúmeros parques naturais.
No concelho de Santa Cruz há, também, uma biblioteca pública, vários museus e um auditório com cafetaria com vista sobre o mar. De resto, a ilha das Flores é extremamente inspiradora e tem excelentes condições para receber artistas de várias áreas. A natureza é uma oferta permanente de inspiração. 

2- São Miguel | 4 a 13 de outubro

Espaço: Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas
Descrição: O Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, situado na cidade da Ribeira Grande, na ilha de São Miguel, surge como um projeto transdisciplinar que tem por ambição a criação, produção e difusão de arte contemporânea. Este equipamento artístico pretende envolver as nove ilhas, criando uma referência à unidade cultural açoriana, ativando a participação comunitária, mas pretende, também, ser um “ponto de convergência” de diversas culturas assentes em quatro eixos geográficos: Ilhas Atlânticas, Américas, Europa e África, sem esquecer a importância da Diáspora. A diversidade manifesta-se através de diferentes disciplinas artísticas: artes visuais, artes performativas, multimédia, cinema, música, arquitetura, design, ilustração, literatura e moda.
O Centro é constituído por uma loja/ livraria, oficinas, centro de exposições, centro documental, centro de produção audiovisual e uma blackbox. O artista residente terá ao seu dispor a sala das residências artísticas, à entrada do espaço, para trabalhar, bem como acesso à Blackbox. Estas condições tornam o espaço propício a artistas que queiram trabalhar em artes visuais e performativas. 

3- Corvo | 7 a 16 de outubro

Espaço Cultural Multiusos do Corvo
Descrição: Situado num dos pontos mais altos da Vila do Corvo, o Espaço Cultural Multiusos destaca-se na paisagem pela sua dimensão e pelos seus contornos geométricos. É um espaço polivalente, capaz de albergar, condignamente, as mais variadas manifestações artísticas e culturais. O artista residente terá à sua disposição uma sala de espetáculos, facilmente convertida numa sala de exposições, e vários gabinetes de trabalho, para além de uma zona de passagem inundada de luz natural e um espaço exterior com grande potencial

4- Santa Maria | 11 a 20 de outubro

Espaço: Incubadora do Centro de Desenvolvimento e Inovação Empresarial de Santa Maria, INCUBA +
Descrição: Situado nas antigas Oficinas Gerais do histórico aeroporto de Santa Maria, a INCUBA+ acolhe e apoia empreendedores no processo de desenvolvimento das suas ideias de negócio e na criação e desenvolvimento de micro e pequenas empresas de base artesanal, de recursos endógenos e das áreas científica e/ou tecnológica. Este espaço é, também, um bom exemplo da utilização e recuperação do património, que ganhou uma nova vida e que pretende constituir-se como um polo de desenvolvimento económico e criativo na ilha de Santa Maria.
A INCUBA+ está dividida em duas zonas, sendo uma para escritórios, serviços e salas de formação, e outra para indústrias criativas, disponibilizando um ‘fab lab’ e uma oficina de fabricação digital. As valências deste novo espaço estendem-se à possibilidade de realização de eventos de promoção, feiras e exposições. O artista terá ao seu dispor uma sala de trabalho só para si, tendo, também, disponível um ateliê de cerâmica com forno. Este é um espaço de trabalho adequado para artistas plásticos. 

5- Terceira | 21 a 30 de outubro

Espaço: Magma Atelier  
Descrição: É onde as ideias passam do estado líquido ao estado sólido, onde se pode vislumbrar processos artísticos, da criação, exposição e venda dos trabalhos dos artistas residentes, onde há partilha de ideias através de conversas e workshops. Situado na praça Almeida Garrett, na cidade de Angra do Heroísmo, é um espaço de trabalho partilhado por três artistas e familiares: Renato Costa e Silva (cerâmica e escultura), Kerstin Thomas (escultura em madeira e cerâmica) e Inês Arbórea (escultura em papel e ilustração digital). O espaço oferece condições para se trabalhar a cerâmica (existe roda de oleiro), e tem uma grande mesa com boa luz, ideal para criações de pequena a média escala, não limitadas à cerâmica. 

Espaço : Oficina D'Angra 
Descrição: É uma associação cultural sem fins lucrativos, com sede própria na Casa do Sal, em Angra do Heroísmo, que acolhe exposições e ações de formação, tertúlias, eventos como lançamento de livros e de discos, promove pequenos concertos e a projeção de filmes, e aposta, sobretudo, em cursos de formação de várias vertentes artísticas destinados a pessoas de diferentes faixas etárias. Conta, neste momento, com uma equipa multidisciplinar de 15 artistas locais, e tem como um dos principais objetivos a inclusão sociocultural e pedagógica da comunidade através da promoção da educação artística. A Oficina D’Angra é um lugar de experiência e experimentação, um espaço multi-funções e com as condições para o artista residente trabalhar em pintura, desenho, gravura, escultura, cerâmica, fotografia, design, arquitetura, poesia, literatura, teatro, música, dança, cinema, arte urbana, exposições, lançamentos, palestras e formações. 

Espaço: Sociedade Filarmónica e de Instrução Recreio dos Artistas
Descrição: Vulgarmente conhecida por Recreio dos Artistas, foi fundada, a 16 de Julho de 1877, em Angra do Heroísmo. Desde 2018, a direção tem trabalhado para melhorar as condições técnicas e os equipamentos disponíveis com vista à promoção da criação artística, e tem estabelecido parcerias com associações culturais, como a Cães do Mar, o Cine-Clube da Ilha Terceira, e a Associação Cultural Burra de Milho, para uma melhor utilização e usufruto da sua sede enquanto polo de criação e promoção cultural. Desta forma, têm sido criadas condições para uma oferta formativa nas áreas da música, teatro, dança e performance. A Recreio dos Artistas abre as suas portas aos artistas locais, regionais, nacionais e internacionais. O artista residente tem à sua disposição um palco e espaços informais de trabalho para as artes de palco, cinema, música, conferências e cursos de formação. 

6- Graciosa | 28 de outubro a 6 de novembro

Espaço: Centro Cultural da Ilha Graciosa
Descrição: Inaugurado em agosto de 1996 e localizado na Rua do Mercado, na vila de Santa Cruz, o Centro Cultural da Ilha Graciosa é um espaço multifuncional que pode servir de palco às mais variadas manifestações culturais, desde exposições, peças de teatro, concertos e conferências. Com uma sala de espetáculos com 260 lugares sentados, utilizada normalmente para projeção de filmes, concertos e espectáculos de teatro. O andar superior é constituído por uma sala de reuniões / exposições e bar. O artista terá ao seu dispor o palco do auditório, com capacidade para projeção. Indicado para artistas que trabalham nas artes performativas, cinema e audiovisual.

7- São Jorge | 11 a 20 de novembro

Espaço: Museu Francisco de Lacerda
Descrição: Instalado na antiga fábrica de conservas Marie D’Anjou, alberga as coleções etnográficas, documentais e imagéticas decorrentes de um território com forte vocação rural e marítima, bem como as temáticas da indústria conserveira e da música, pelo seu patrono - o Maestro Francisco de Lacerda. As modernas instalações do Museu incluem espaços expositivos, sala de reservas, centro de documentação, auditório e zonas de lazer interiores e exteriores. O artista residente poderá utilizar o auditório, a oficina, salas expositivas, sala de reuniões e o centro de documentação. 

8- Pico | 18 a 27 de novembro

Espaço: Auditório da Madalena
Descrição: É um dos principais equipamentos culturais da ilha do Pico. Situado na vila da Madalena, consiste numa sala de espectáculos com um grande palco e uma lotação de 355 lugares. O artista residente terá acesso a este espaço de trabalho que, no exterior, tem um anfiteatro com capacidade para acolher diversos espetáculos de artes performativas ao ar livre, e que tem como pano de fundo a montanha do Pico.

Espaço: MiratecArts Galeria Costa
Descrição: Um quilómetro de arte entre a paisagem da cultura da vinha, arbustos e floresta: instalações, pinturas, esculturas e locais de interesse com o objetivo de desenvolvimento de arte na natureza. É um campo de experimentação. Não tem eletricidade nem água potável, mas tem água da chuva armazenada em cisternas. Possibilidade de colocar uma WC portátil se o/a artista decidir trabalhar regularmente na propriedade. Ideal para artistas visuais, land art, artistas performativos ou qualquer artista interessado em trabalhar site specific num cenário natural.

Espaço: Museu do Vinho
Descrição: Instalado num edifício que foi, outrora, a mansão de veraneio dos frades carmelitas, sediados na cidade da Horta, o Museu do Vinho, na vila da Madalena, compreende várias áreas, nomeadamente a casa conventual dos carmelitas, o edifício dos alambiques (recepção), o edifício do lagar, o mirante e vinha e a mata de dragoeiros. Com uma localização geográfica privilegiada, insere-se numa paisagem natural muito rica – a vinha, os dragoeiros seculares, o canal do Pico-Faial e a montanha, que lhe confere uma dimensão poética. O artista em residência pode tomar o espaço como lugar de inspiração e exploração performativa e ou plástica, não dispondo de um espaço próprio de trabalho, mas sim trabalhar a partir da arquitectura e condições específicas do espaço do Museu do Vinho.

9- Faial | 25 de novembro a 4 de dezembro

Espaço: Casa Memória Manuel de Arriaga
Descrição: É um imóvel originário do séc. XVIII, classificado de Interesse Público, onde viveu o 1º Presidente da República Portuguesa. Parte integrante do Museu da Horta, este equipamento cultural dispõe de espaços para exposições de longa duração e projeção de filmes, exposições temporárias, consulta de documentação digitalizada, biblioteca e jardim. O artista terá ao seu dispor uma sala polivalente com ampla iluminação natural e condições para todo o tipo de apresentações performativas de proximidade.

4. CONDIÇÕES DE APOIO

1) 9 x 9 - Programa Piloto de Residências Artísticas dos Açores garante a cada projeto 10 dias em cada ilha e nos espaços e períodos definidos de trabalho.

2) Cada artista selecionado receberá um cachê de 1500€ (incluindo a taxa de IVA em vigor, se aplicável, e demais encargos). O cachê será pago no final de cada residência artística mediante apresentação de fatura ou recibo-verde pelos artistas-residentes.

3) Cada artista terá ao seu dispor uma bolsa de produção de até 1000€, gerida pela associação cultural Part'ilha. O artista deverá apresentar um plano de despesas, e posteriormente os respectivos comprovativos de despesas, devidamente identificados com o número de contribuinte da entidade de gestão. Este valor, seja total ou parcialmente, não é transitável para o cachê artístico.

4) É garantido o apoio logístico para 1 pessoa por residência artística; O apoio logístico inclui alojamento, alimentação e transporte de pessoas e materiais (se necessário);    

5) Não são consideradas viagens fora do território nacional, com excepção do artista a acolher da Letónia, ao abrigo do acordo com Azores 2027;

6) Os artistas açorianos ou residentes nos Açores devem sempre concorrer a uma residência artística diferente da sua ilha de residência ou de origem; 

7) O espaço de trabalho é cedido pelos diversos parceiros do projeto nas diferentes ilhas, devendo ser respeitadas as orientações de cada espaço, no que diz respeito a acessos, horários de trabalho, procedimentos de segurança e saúde pública;

8) Cada espaço disponibiliza o seu rider técnico com as condições existentes, compreendendo este o material ao dispor durante as residências;

9) 9 x 9 - Programa Piloto de Residências Artísticas dos Açores pode, sempre que necessário e possível, providenciar outros materiais necessários;    

5. ATIVIDADES PARALELAS EM RESIDÊNCIA ARTÍSTICA 

As residências artísticas focam-se mais no processo criativo mais do que no produto final, no entanto, os projetos selecionados deverão terminar sempre com uma apresentação final com um formato a ser proposto pelos artistas: ensaio/ estúdio/ oficina aberta ou outra tipologia de apresentação final do trabalho desenvolvido que faça sentido ao artista e ao projeto em questão;

Os artistas deverão estar disponíveis igualmente para o desenvolvimento de uma das seguintes atividades com a comunidade: realização de um workshop ou oficina para público local; visitas escolares, conversa aberta ou outro formato de partilha do processo criativo e transmissão de conhecimento/ desenvolvimento de públicos em consonância com o projeto e prática artística;

6. CANDIDATURA

1) Só são admitidas candidaturas submetidas através do email info@azores2027.eu. As candidaturas deverão ser enviadas, até às 20h00 (hora dos Açores) de 31 de agosto, num dossiê em formato pdf que reúna a seguinte informação do projeto:

- Nome do artista candidato;    
- NIF, Cartão de Cidadão, IBAN;
- Contactos de telefone e email;             
- Identificação da área artística;
- Biografia (até 750 caracteres sem espaços);
- Links para portfólio/ vídeos/ trabalhos anteriores;
- Nome do projeto;
- Ilha e período de residência artística;
- Sinopse (até 1500 caracteres sem espaços);
- Formatos e descrição de atividades paralelas em residência artística;
- Fichas técnica e artística;
- Orçamento de produção;
- Os artistas deverão indicar o aeroporto de partida;
- Se aplicável: entidades parceiras (discriminação do tipo de apoio);    
- Declaração de consentimento de processamento de dados. (download)

Depois da entrega das candidaturas não serão permitidas alterações. Os pedidos de esclarecimento decorreram até às 18h00 (hora dos Açores) do dia 23 de agosto, estando disponível uma secção de Perguntas Frequentes no final desta página. Os pedidos de esclarecimento enviados após este prazo não serão considerados.

7. SELEÇÃO

A seleção dos projetos propostos é realizada por um júri convidado para o efeito, constituído na 1a edição por:

- 1 membro do Conselho Consultivo do Azores 2027; 
- 2 membros do Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas;
- 2 membros da Part’ilha - Associação Cultural de Desenvolvimento Local, AC;

2) As propostas são avaliadas e ordenadas a partir da mais pontuada e dos seguintes critérios, com pontuação de 1 a 10:

1- fundamentação e originalidade do projeto de residência artística; 40%
2- consonância com os objetivos do programa 9 x 9; 15 %
3- adequação do projeto de residência artística à ilha, espaços e calendário de acolhimento 15%
4- actividades de partilha e desenvolvimento de públicos durante a residência artística; 10%
5- biografia e experiência anterior do artista; 20%

As propostas são avaliadas pelo júri com base nos materiais apresentados pelos/as proponentes. A classificação final de cada proposta será calculada a partir do total das votações de cada critério.

3) O Júri reserva-se no direito de solicitar informações complementares aos proponentes.

4) Os resultados serão anunciados no dia 15 setembro por email para todos os projetos candidatos e nas páginas oficiais da Câmara Municipal de Ponta Delgada (https://www.cm-pontadelgada.pt/), Azores 2027 (www.azores2027.eu), Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas (http://arquipelagocentrodeartes.azores.gov.pt/), Part’Ilha - Associação de Cultura e Desenvolvimento Local (http://associacaopartilha.pt/) e dos vários parceiros envolvidos.

8. CONSIDERAÇÕES FINAIS

1) A candidatura 9 x 9 - Programa Piloto de Residências Artísticas dos Açores implica a aceitação integral deste regulamento;

2) Ao participar, os projetos selecionados comprometem-se a partilhar e autorizar a utilização de imagens e conteúdos nos materiais e suportes de comunicação de Azores 2027 e todos os parceiros associados;

3) Os projetos devem fazer menção nos seus meios de promoção do apoio da seguinte forma: 9 x 9 - Programa Piloto de Residências Artísticas dos Açores / Azores 2027, Câmara Municipal de Ponta Delgada, Governo dos Açores, Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas, Part’Ilha - Associação Cultural de Desenvolvimento Local, AC

4) Os proponentes são livres de realizar investimentos próprios na angariação de parceiros, patrocínios ou outros apoios para o desenvolvimento e produção do projeto;

5) Garante-se a confidencialidade de todos os dados fornecidos pelos candidatos nas suas propostas, sendo as informações utilizadas somente para os fins definidos;

6) Na recepção de propostas será enviada uma confirmação da recepção da mesma. A organização não se responsabiliza por erros no envio ou leitura dos ficheiros das candidaturas ou por candidaturas enviadas fora do prazo estipulado;

7) O desrespeito das condições deste regulamento implica a exclusão da candidatura e dos seus proponentes de 9 x 9 - Programa Piloto de Residências Artísticas dos Açores;

8) A decisão sobre a admissão e seleção das candidaturas pertence ao júri, da qual não haverá apelo.

9. PERGUNTAS FREQUENTES

1- É possível fazer mais do que uma candidatura? É possível candidatar-me para duas ilhas, mas com projetos diferentes?
Apenas será admitida uma candidatura por proponente, tal como está explícito no ponto 1 do regulamento. Cada candidato só se pode candidatar a uma ilha e com um projeto.

2- É possível fazer candidatura como dupla artística? A residência pode ser feita por dois artistas? O projeto pode ser proposto por duas pessoas ou incluir mais do que uma pessoa?
Não, as candidaturas são individuais e dirigidas a um artista.

3- Se outros artistas ou pessoas de fora da ilha quiserem participar na residência artística, suportando todas as despesas associadas à viagem, estadia e alimentação, podem integrar a candidatura?
Não. As candidaturas são individuais e, portanto, dirigidas apenas a uma pessoa.

4- Artistas portugueses residentes fora de Portugal são considerados elegíveis?
Portugueses e estrangeiros a viver em Portugal são elegíveis para participar no programa. Ou seja, são elegíveis todos os Portugueses, no entanto, não são consideradas viagens fora do território nacional, como está patente no ponto 4.5 do regulamento.

5- Em que línguas pode ser submetida a candidatura?
A candidatura pode ser escrita em português e inglês.

6- O que é pretendido no item “Ficha Técnica e Artística" do ponto 6 do regulamento?
Em ficha técnica, o artista deve mencionar eventuais serviços e/ou materiais necessários para desenvolver o projeto de residência artística. Deve mencionar a autoria do projeto e, se for o caso, a eventual colaboração de outros elementos, mesmo que estes não participem presencialmente na residência artística.

7-  O que devo preencher em atividades paralelas da residência artística?
O artista deve apontar os formatos das actividades que propõe para desenvolvimento de públicos e de aproximação e partilha do seu trabalho às comunidades locais. Exemplos no ponto 5 do regulamento.

8- O que devo mencionar num orçamento de produção?
O artista deve mencionar os materiais e/ou serviços técnicos e artísticos que precisa para desenvolver o seu projeto de residência artística, providenciando os custos e quantidades necessárias desses materiais e serviços. Apoio logístico (viagens aéreas e terrestres, alojamento, alimentação e produção local) já está contemplado no programa.

9- Considerando a atual situação pandémica, quais os procedimentos necessários para entrar no arquipélago dos Açores?
Para entrar no arquipélago, os artistas devem ter em consideração as orientações disponibilizadas pelo Governo dos Açores sobre viagens em 'Destino Seguro Açores', através do site destinoseguro.azores.gov.pt.

10- Que medidas de segurança têm de ser adotadas nos espaços onde decorrem as residências artísticas?
Os artistas devem respeitar as medidas em vigor implementadas por cada espaço de trabalho, consoante o nível de transmissibilidade verificado em cada uma das ilhas. 

11- É possível trazer um animal de estimação?
Não. Não é possível trazer um animal de estimação.

12- Sou estrangeiro e residente em Portugal, mas ainda não tenho a carta de residência. Posso concorrer?
O candidato deve sempre apresentar o NIF, ter uma conta bancária portuguesa, ter atividade aberta nas finanças e deve apresentar uma conta de água ou de electricidade que comprove que habita na morada indicada.